Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
Esse Mito Urbano chamado Jorge Jesus (parte 2)...

 

Um outro Mito Urbano relacionado com Jorge Jesus, é mais uma ideia que o “jornaleirismo” desportivo nacional nos quis impingir, relacionado com a sua alegada inigualável capacidade de valorização e rentabilização de jogadores.

Outro embuste. Mais um.

Passemos então aos factos...

 

 20170818 Rui Vitória Vs Jorge Jesus.png

 

Deste TOP-8, dos jogadores vendidos pelo Benfica acima dos 30 milhões de euros, apenas 3 foram valorizados por Jorge Jesus, num total de 103 milhões de euros.

Nenhum destes três eram oriundos da formação do Benfica, pelo que este valor não é líquido (há que descontar ainda os valores de aquisição). Em boa verdade, Jesus não valorizou significativamente nenhum jogador da formação do clube. Deu uma hipótese a Gonçalo Guedes, é verdade, mas não o deixou jogar mais de 9 partidas, em todas as competições da época de 2014/2015. Ainda em relação à formação, foi também Jesus quem deixou sair Bernardo Silva para o Mónaco, com apenas 31 minutos de utilização.

Na realidade, a existência de formação e de uma equipa B no Benfica, sempre foi um assunto pouco mais do que irrelevante, para Jorge Jesus.

 

Deste TOP-8, Rui Vitória foi o responsável pela valorização de 5, num total de 170,5 milhões de euros.

Mal chegou ao Benfica, Rui Vitória lançou de imediato 2 jogadores da formação benfiquista (Nelson Semedo e Renato Sanches), e relançou Gonçalo Guedes, agora sim, com 59 partidas em 2 épocas. Só com estes 3, teve uma rentabilização de custo-zero para 95,5 milhões, ou seja, só com o aproveitamento da formação, Rui Vitória fez mais do que Jesus tinha feito com todas as suas melhores vendas (não esquecer que os 3 jogadores de Jorge Jesus tiveram custos de aquisição - Di Maria custou 2,5M e Witsel 9M).

Não poderemos esquecer ainda que o guarda-redes Ederson e o sueco Lindelof, foram promovidos da equipa B, por Rui Vitória.

E tudo isto em apenas 2 anos.

 

Em apenas 2 anos, Rui Vitória foi responsável por quase o dobro da rentabilização conseguida por Jorge Jesus em 6 temporadas.

Por isso, e em termos relativos...

Rui Vitória é quase 6 vezes mais eficaz do que Jorge Jesus, na rentabilização e valorização de jogadores.

E assim cai com estrondo, mais uma vez, esse Mito (muito pouco) Urbano chamado Jorge Jesus...

 

Miguel Salazar



publicado por Miguel Salazar às 19:38
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
Esse Mito Urbano chamado Jorge Jesus (parte 1)...

20141114 a Liteira.png

Ao contrário do que muita gente parece supor, a carreira de Jorge Jesus não teve o seu início no Benfica.

A verdade é que ela começou muito antes, na Amora, na já longínqua época de 1992/1993, 19 anos antes da sua chegada ao estádio da Luz.

Nas primeiras 18 temporadas, a sua carreira nada teve de particular relevância.

Mas bastou ter posto os pés no Benfica, para logo se começar a criar um dos maiores embustes de toda a História do futebol português – esse Mito Urbano chamado Jorge Jesus, o tão propalado Mestre da Táctica.

Mas vamos aos factos...

 

Nas primeiras 18 temporadas da sua já longa carreira, Jorge Jesus foi Campeão Nacional da 3ª Divisão pelo Amora, subiu 3 equipas de Divisão (o Amora, e 2 vezes o Felgueiras), e desceu outras 2 (Felgueiras e Moreirense).

Até aqui, nada de fabuloso...

Fez um 7º lugar na União de Leiria, com 47 pontos em 34 jogos, enquanto José Mourinho, ainda em início de carreira (2001/2002), tinha já conseguido atingir essa mesma posição, mas com mais 8 pontos em igual número de jogos.

Ao serviço das 5 restantes equipas (União da Madeira, Estrela da Amadora, Vitória de Setúbal, Vitória Sport Clube e Belenenses), e em 11 temporadas, não fez nada digno de realce.

Ao serviço do Sporting de Braga, Jorge Jesus venceu 1 Taça Intertoto* e foi 5º classificado no Campeonato Nacional, enquanto que Domingos Paciência, em 2 épocas, e no mesmo Sporting de Braga, conseguiu ser Finalista da Liga Europa numa, e Vice-Campeão Nacional na outra (com mais 21 pontos do que o Braga de Jesus, nos mesmos 30 jogos).

Bem melhor o desempenho de Domingos Paciência...

Chegado finalmente ao Benfica, era tempo de se dar início à criação do Mito. Dispondo dos melhores e mais ricos planteis da história do clube, em 6 épocas, Jesus foi Campeão Nacional por 3 vezes, venceu 1 Taça de Portugal, 1 Supertaça e 5 Taças da Liga. Analisando a questão de outra perspectiva, Jorge Jesus perdeu a oportunidade de vencer 14 troféus nacionais (3 Campeonatos, 5 Taças de Portugal, 5 Supertaças e 1 Taça da Liga), o que faz com que a sua eficácia tivesse sido de 41% (10 troféus conquistados e 14 perdidos).

Logo de seguida, e em apenas 2 épocas (e mais a Supertaça deste ano), Rui Vitória já conseguiu no Benfica, 2 Campeonatos Nacionais, 1 Taça de Portugal, 2 Supertaças e 1 Taça da Liga. Na mesma perspectiva com que se analisou o desempenho de Jesus, Rui Vitória perdeu a oportunidade de vencer 3 troféus nacionais (1 Taça de Portugal, 1 Supertaça e 1 Taça da Liga), o que faz com que a sua eficácia seja de 67% (6 troféus conquistados e 3 perdidos).

Ou seja, Jorge Jesus tem uma eficácia de 41%, enquanto a de Rui Vitória é de 67%, mas o Jesus é que é bom. Está certo !

A nível das competições europeias, Jorge Jesus levou 1 vez o Benfica aos quartos-de-final da Liga Europa e, na Liga dos Campeões, por 4 vezes não passou da fase de grupos, atingindo 1 vez os quartos-de-final desta competição. Já Rui Vitória, em dois anos, atingiu 1 vez os quartos-de-final e 1 vez os oitavos-de-final, ambas na Liga dos Campeões.

E Jorge Jesus é que continua a ser o melhor. Continua a estar certo !

Nas últimas 2 temporadas, o “Mestre da Táctica” esteve ao serviço do Sporting, onde conseguiu apenas 1 Supertaça, e logo na sua chegada a Alvalade, numa altura em que o Poder Instituído ainda o deveria julgar ao serviço do Benfica.

E assim voltou Jorge Jesus à eficácia pré-Benfica...

 

Assim, bem espremido e comparado, Jesus fez quase sempre pior do que fizeram outros nos mesmos clubes, apenas conseguindo suplantar os seus colegas com a conquista de uma competição disputada por uma espécie de 2ª Divisão do futebol europeu, e conquistada em apenas dois jogos, contra o Sivasspor da Turquia. A sua verdadeira especialidade parece ser a Taça da Liga que deverá ser muito provavelmente a mais desinteressante e desvalorizada competição do futebol português. Venceu-a 5 vezes, apesar de só o ter conseguido fazer no Benfica.

E pronto, é assim que nascem os Mitos Urbanos.

E foi assim também que nasceu o maior de todos eles – esse Mito Urbano chamado Jorge Jesus.

Urbano, mas pouco, diria eu... muito pouco urbano...

 

Miguel Salazar

 

* A Taça Intertoto era uma competição organizada pela UEFA entre 1995 e 2008, em que competia uma espécie de 2ª divisão do futebol europeu, formada pelas equipas que não se conseguiam qualificar para as competições europeias “a sério”. Para se ter uma ideia da dificuldade desta competição, o Sporting de Braga conseguiu vencê-la, disputando (e vencendo) apenas 2 jogos, com os turcos do Sivasspor. A União de Leiria foi Vice-Campeã da edição de 2004 desta mesma taça, eliminando os russos do Shinnik Yaroslavl e os belgas do Genk, e perdendo a final para os franceses do Lille.



publicado por Miguel Salazar às 00:45
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017
As 4 Cartilhas do Vitória Sport Clube...

 

20170815 Cartilha VSC #1.png

20170815 Cartilha VSC #2.png

20170815 Cartilha VSC #3.png

20170815 Cartilha VSC #4.png



publicado por Miguel Salazar às 20:00
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Terça-feira, 15 de Agosto de 2017
Do Dicionário da Língua Portuguesa e do Dialecto Estarolês...

20170815 VAR.png



publicado por Miguel Salazar às 13:30
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
192 Vitórias de todo o Mundo...

 

'Vitórias' no Mundo 1.png

'Vitórias' no Mundo 2.png

'Vitórias' no Mundo 3.png

 

Foram incluídos os clubes com o nome de "Al-Nassr" e "Al-Nasr", 

pois essa é a tradução árabe da palavra "Vitória".

Foram também incluídos os clubes com o nome "Niki",

pois esse é o nome grego da deusa Vitória.



publicado por Miguel Salazar às 20:12
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 24 de Maio de 2017
a Sétima Cruzada da Era Moderna...

 

20170524 Sétima Cruzada.jpg

 

Entre os séculos XI e XIII, o Papado de Roma organizou nove Cruzadas, para resgatar Jerusalém aos Mouros. A Guerra Santa, como então ficou conhecida, foi bem sucedida logo na sua Primeira Cruzada, mas esse sucesso nunca mais haveria de se repetir, ao longo das restantes oito. A Segunda Cruzada constituiu-se como a primeira de todas essas derrotas, e a única vitória alcançada nesta altura, ocorreu em terras lusas. Dom Afonso Henriques contou com a ajuda dos Cruzados, que na altura se encaminhavam para Jerusalém, e assim conseguiu garantir a Reconquista de Lisboa, quando corria o ano de 1147.

 

Mais tarde (muito mais tarde), em 1922, haveriam de nascer aqueles que iriam dar lugar às Cruzadas da Era Moderna. Até 2016, os Conquistadores de Guimarães, legítimos descendentes do 1º Rei de Portugal, haveriam de lutar em seis Cruzadas, para a Conquista do Jamor.

Na Primeira e Segunda Cruzadas desta nova Era (em 1942 e 1963), os Conquistadores sucumbiram aos pés dos Mouros de Lisboa, mas não sem antes terem honrado o símbolo do Rei, que orgulhosamente traziam ao peito.

Em 1976, já na Terceira Cruzada (a única em que o objectivo não era o Jamor, mas sim o Porto), os Conquistadores foram vítimas da pérfida traição daquele maldito juíz cujo nome não deve voltar a ser pronunciado, e que ficará para sempre gravado como uma das maiores ignomínias da História do futebol luso.

As Quarta e Quinta Cruzadas aconteceram em 1988 e 2011, e trouxeram mais duas derrotas para os sempre orgulhosos descendentes do 1º Rei de Portugal.

Foi apenas em 2013, durante a Sexta Cruzada, que se conseguiu a maior vitória de todos os tempos, sobre os Mouros de Lisboa. Contra tudo e contra todos, os Conquistadores, apoiados por uma milícia de dezenas de milhar de Vitorianos, tomaram o Jamor de assalto, dizimando as forças inimigas. A vitória foi tão contundente que o próprio Sultão Mouro decidiu seduzir para o seu serviço, o General que o tinha derrotado. Por estes dias, e já em plena Sétima Cruzada, é contra este ex-General, agora armado Grão-Vizir, que os Conquistadores terão de lutar.

Hoje, chegados portanto à Sétima Cruzada da Era Moderna, o tempo é o da Reconquista do Jamor. 870 anos depois d' El-Rei Dom Afonso Henriques ter conseguido reconquistar Lisboa aos Mouros, é chegado o dia de fazermos jus ao nosso nome e reconquistarmos o Jamor.

 

A 28 de Maio de 2017, nós, os Conquistadores de Guimarães, legítimos descendentes do 1º Rei de Portugal, apoiados novamente pelas nossas indefectíveis milícias, iremos gravar a letras de ouro mais uma página da nossa gloriosa História.

 

A Reconquista do Jamor é o nosso objectivo,

e a Glória o nosso destino !...

 

José Rialto

 



publicado por Miguel Salazar às 22:44
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Terça-feira, 23 de Maio de 2017
O rapaz do Bar...
Confortavelmente refastelado na 4ª fila da zona Euro da sala de espectáculos, e depois do filme ter terminado, visivelmente bem disposto, Pedro Martins gracejou em voz alta, enquanto se voltava para trás, na direcção do bar:

- Ó rapaz, tu desculpa lá o mau jeito. Eu sei que era aqui que tu querias...

Nem acabou o que ia dizer. O rapaz do bar tinha estado sentado ao balcão durante quase todo o filme, mas já não estava mais lá. Em boa verdade, já lá não estava há algum tempo. Depois de perder, pela enésima vez, mais um engate para alguém que tinha acabado de entrar, o dono do bar tinha perdido a paciência, e acabou por correr com ele do estabelecimento. É que já não havia mais pachorra para tanta aselhice. Estava farto de desperdiçar dinheiro nos copos do rapaz... e na limpeza da casa de banho.

O rapaz tinha sido corrido, mas já lá estava outro na sua vez. E este não perdia tanto tempo a conversar com raparigas. Não perdia tanto tempo, mas perdia-as de igual forma para qualquer marmanjo que acabasse de entrar no bar. A última que perdeu foi para um gabiru da zona de Tondela.

Moral da história: o dono do bar poupava nas bebidas, mas continuava a não poder dispensar a senhora que lavava as casas de banho...

 

José Rialto


publicado por Miguel Salazar às 00:20
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 5 de Abril de 2017
Bongani Zungu...

20170405 Zungu.png

Uma vez que...

- o benfiquista Celis não está assim em tão grande forma quanto isso...

- é um jogador emprestado, que dentro de 2 meses vai embora...

- que o Vitória não tem qualquer vantagem em o fazer rodar na equipa principal...

- e que Pedro Martins não poderá contar com ele para a final da Taça contra o Benfica...

 

E sabendo nós...

- que o vitoriano Bongani Zungu tem mostrado estar numa excelente forma...

- que Bongani Zungu é um activo do Vitória, e que portanto convém valorizar...

- e que será ele que vai jogar a final da Taça contra o Benfica...

 

Não seria melhor, e de mais bom-senso, sentar desde já o benfiquista Celis no banco, e dar a titularidade ao vitoriano Bongani Zungu ?



publicado por Miguel Salazar às 23:28
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sábado, 1 de Abril de 2017
Em busca da segunda chave...

Uma já cá canta, nas costas de Pedro Martins, e a outra está logo ali, mesmo à mão de semear... ou melhor, mesmo à mão de colher...

20170318 Chaves VitóriaSC.png



publicado por Miguel Salazar às 10:00
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sexta-feira, 3 de Março de 2017
A primeira das duas chaves...

... para abrir os portões do Jamor

20170302 Ricardo Soares.png

 



publicado por Miguel Salazar às 00:35
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017
8º aniversário do “ÁLB’oon”…

 

8AniversarioEnergy1.jpg

 

Neste último ano, foram desenhadas 51 caricaturas e cartoons, apesar de só terem sido publicados n' o ÁLB'oon, 28 destes desenhos. Os restantes 23 foram reservados para a sua publicação num livro cuja edição já se encontra em marcha. Mas disso vos daremos conta em tempo mais oportuno.

O ÁLB'oon foi visitado por 8.150 leitores (média de 22 por dia), que visualizaram um total de 13.498 páginas (média de 37 por dia). Durante estes 8 anos, o ÁLB'oon já foi visitado por leitores de 129 países diferentes, oriundos dos 5 continentes.

O ÁLB'oon não pode deixar de agradecer aos seus fieis leitores que vão conseguindo resistir à crescente asfixia com que as redes sociais vão condicionando a sobrevivência da blogosfera nos dias de hoje.

Muito obrigado pela vossa persistência...



publicado por Miguel Salazar às 23:59
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017
O homem-forte, o menino birrento e a surra...

(take #3)

20170220 Armando Marques e Marega.png

 



publicado por Miguel Salazar às 20:16
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Domingo, 12 de Fevereiro de 2017
Dragão d'Ouro...

20170212 Júlio Mendes.png



publicado por Miguel Salazar às 22:23
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2017
Janeiro, o mês do nosso martírio...

20170201 Pedro Martins.png

Definitivamente, a Direcção da SAD não consegue resistir ao tilintar de meia dúzia de cêntimos.

Eles bem juram que não irão repetir erros do passado, mas nas bocas deles, isso são apenas palavras, e as palavras leva-as o vento. Já nem vale a pena citar Pimenta Machado...

Eles gostam mesmo é de cortar as pernas aos treinadores. A Rui Vitória, cortaram-lhas por quatro vezes, sem falhar um mês de Janeiro que fosse. Na época passada, como os dois treinadores que por cá passaram nem tinham pernas para andar, também não havia o que lhes cortar. Mas este ano, já com tantas saudades, lá voltaram ao mesmo. Contrataram novamente um treinador com pernas, só para lhas poder cortar agora, chegados mais uma vez ao fatídico mês de Janeiro.

Cortam-lhes as pernas e depois arranjam-lhes um par de moletas... manhosas e ainda por cima emprestadas. Eram para ser umas próteses daquelas de lâmina, semelhantes às do Pistorius, mas essas acabaram por ser desviadas para Marrocos.

Coitado do Pedro Martins. Coitado dele, do Vítor Campelos (que acaba por levar por tabela), e coitados de nós, os Vitorianos...

Mas afinal até quando teremos nós de aguentar este martírio ?...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 17:33
"link" do artigo | o seu comentário | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017
O "déjà vu" de Jorge Simão...

20170129 Moreirense.png

Já tinha passado uma semana sobre o show de bola que os Conquistadores tinham dado no Sambódromo Municipal de Braga, mas a sensação voltava a ser a mesma.

Uma vez mais, Jorge Simão assistia sem poder fazer muita coisa. E uma vez mais resolveu ir para as bancadas. agora menos desertas, para melhor contemplar o espectáculo novamente proporcionado pelo seu adversário. As sensações de há uma semana repetiam-se, sem que pudesse fazer muito para as contrariar. Havia coisas diferentes, é certo, mas a sensação de impotência era a mesma. O recinto era esquisito - tinha 4 bancadas - coisa que toda a gente sabe que não pode acontecer num sambódromo que se preze, mas o show era o mesmo: o mesmo desfile, o mesmo espectáculo avassalador, a mesma desolação das bancadas, um outro adversário, sim, mas do mesmo concelho de Guimarães.

Jorge Simão estava mesmo a ter um déjà vu e, como tal, já não tinha quaisquer esperanças sobre o desfecho final daquele espectáculo. O pior de tudo é que mais do que perder 3 pontos, Jorge Simão acabara de perder uma taça. A mesma taça com que o carrasco Cauê já brincava agora...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 23:10
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2017
David e Golias...

20170127 Augusto Inácio.png

 

O gigante Golias já tinha,

A certeza d' ir à final.

Mas com três pedradas na pinha,

Teve d' ir, foi pr' ó hospital.

 

Em Moreira já repicam os sinos, 

E a David se pede apenas um pouco mais:

Dar uma valente coça aos marroquinos,

E trazer a taça para Guimarães.

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 18:32
"link" do artigo | o seu comentário | favorito (1)

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017
Show de bola no Sambódromo Municipal...

 

20170124 Show de Bola.png

O show de bola dos Conquistadores estava a ser tão espectacular, que os supostos adeptos marroquinos já não conseguiam mais suportá-lo. Roídos de inveja, debandaram das suas bancadas. Não fosse a presença massiva dos adeptos que tinham vindo da Cidade-Berço da Nacionalidade, e as bancadas do Sambódromo Municipal teriam sido devolvidas ao seu desolador aspecto habitual.

Quem aproveitou a acalmia da bancada agora deserta, foi Jorge Simão, que assim se posicionou para melhor poder contemplar o desfile dos nossos Conquistadores.

Jorge Simão sabia bem que não podia desperdiçar a ocasião - ocasião única de toda uma época. Afinal, não é todas as semanas que no Sambódromo Municipal de Braga se pode assistir a um espectáculo assim... tão grandioso... dentro e fora da parada dos desfiles...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 21:07
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2017
A caminho de Loulé...

20170111 Inácio e Nuno Espírito Santo.png

Longa é a distância
De Guimarães até Loulé.
E por essa circunstância,
Nem pensar fazê-la a pé.
 
Difícil estav'a questão,
Não desse o Nuno seu lamiré:
Ides todos no meu dragão,
De duas asas e um tripé.
 
José Rialto
 
 


publicado por Miguel Salazar às 22:27
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Domingo, 8 de Janeiro de 2017
O Monstro de Loch Ness...

 

20170108 Monstro de Loch Ness.jpg

 

Por estes dias, o Dragão de Nuno Espírito Santo mete tanta água, que já há quem o tome pelo monstro de Loch Ness...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 14:28
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016
Retrato de uma Família muito Eclética...

20161010 Retrato de Família.png



publicado por Miguel Salazar às 15:37
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Domingo, 25 de Setembro de 2016
o "álb'oon" em destaque (129)...

Na noite da passada quarta-feira, dia 21, Manuel Mendes foi merecedor de uma homenagem pública, no Centro Cultural de Vila Flor.

Câmara Municipal de Guimarães e Vitória Sport Clube juntaram-se para prestar a devida homenagem àquele que se tornou no primeiro atleta, vimaranense e vitoriano, a conquistar uma medalha nos Jogos Paralímpicos.

Manuel Mendes foi o 3º melhor classificado da Maratona (T46), nos jogos que decorreram no Rio de Janeiro.

Tal como tinha acontecido com os 5 atletas vimaranenses presentes nos Jogos Olímpicos, também o Manuel Mendes recebeu uma caricatura da minha autoria, feita a pedido da Câmara Municipal.

O vídeo que se segue, documenta o momento da sua entrega...

 



publicado por Miguel Salazar às 18:21
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quarta-feira, 21 de Setembro de 2016
A marca indelével de Manuel Mendes...

20160920 Manuel Mendes.png

Ao conquistar a medalha de bronze na Maratona T46 das Paralimpíadas de 2016, Manuel Mendes conseguiu, de uma vez só, trazer uma enorme recordação do Rio de Janeiro para Guimarães, mas também deixar a marca indelével da sua passagem pela Cidade Maravilhosa...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 23:28
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Segunda-feira, 15 de Agosto de 2016
Danyll, Rohirrim de Dragões...

20160812 Danilo Pereira.png

Da região mais setentrional de todo o território Rohan - o Reino do Dragão - veio Danyll, um cavaleiro Rohirrim com uma importantíssima particularidade - montava um dragão.

Para Gandalf Santos, poder juntar à Irmandade da Taça um Cavaleiro de Dragões, era assim como passar a ter uma espécie de Força Aérea. Foi essa a resposta que o Feiticeiro encontrou para as terríveis ameaças que lhe iriam surgir dos céus de Mordor. Sauron tinha convocado reforços alados de todos os territórios da Terra Média. Aos temíveis Nazgûl, juntavam-se assim os grifos brancos e os dragões prateados da Islândia, as águias reais prateadas da Polónia, as águias negras da Áustria, e os dragões vermelhos do País de Gales. Todos juntos, constituíam-se como uma ameaça terrível que iria cair em cima da Irmandade sem apelo nem agravo. Gandalf Santos dispunha de batarias anti-aéreas, mas ter alguém como Danyll, Rohirrim de Dragões, era um trunfo fundamental que o Feiticeiro tinha agora na manga e que lhe viria a ser muito útil nas difíceis batalhas que se avizinhavam.

Montado num dragão azul com o nome de "Andrade", Danyll passou assim a ser a primeira linha de defesa aérea da Irmandade da Taça...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 21:48
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016
Legolas Quarësmer, Príncipe dos Elfos Ciganos...

Legolas Quaresmer, Príncipe dos Elfos Ciganos

Legolas Quarësmer era um Elfo, mas tinha costela de feiticeiro. Não por ter qualquer ligação familiar conhecida com Gandalf ou até com Saruman, mas porque ainda era aparentado com Harry Potter. Havia mesmo quem afiançasse que ele era mesmo o próprio jovem feiticeiro de Hogwarts.

De todos os heróis da Irmandade da Taça, era ele quem mais usava o manto da invisibilidade. Tinha-lhe achado piada e Frodo Baggins emprestara-lho de bom grado. Com o manto, Legolas Quarësmer mantinha-se invisível durante a maior parte do tempo, para logo aparecer, de repente, e disparar uma das suas setas.

Príncipe dos Elfos Ciganos, como também ficou conhecido, era um arqueiro letal. Foi do seu arco que saiu a seta que acabou com a resistência do Warg croata, após quase 2 horas de sangrenta batalha. O Troll polaco resistiu mais tempo ainda e só sucumbiu depois de ter sido atingido por 6 vezes. Mas o golpe de misericórdia, aquele que o fez tombar, foi dado novamente por uma das suas setas certeiras.

Legolas Quarësmer, o Príncipe dos Elfos Ciganos, era um brilhante franco-atirador, mas quem sabe se não terá passado ao lado de uma outra brilhante carreira. Com a larga experiência que tinha em passes de letra e nas inúmeras figuras de estilo com que sempre adornava o seu futebol, bem que podia ter tentado a sua sorte na Universidade Lusófona. Se o tivesse feito, ter-lhe-iam dado por certo todas as equivalências necessárias para conseguir de imediato uma Licenciatura em Literatura Portuguesa. É que era certinho. E depois disso, com uma licenciatura em Hogwarts e outra na Lusófona, se calhar até poderia vir a ser um dia... Quarësmer, o Feiticeiro Cigano... 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 20:39
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Terça-feira, 2 de Agosto de 2016
Pepe Théoden III, Senhor de Rohan...

20160802 Pepe.png

 

O avô de Pepe Théoden, o Rei Théoden I, tinha estado possuído em tempos por Saruman, e assim permaneceu até ser resgatado desse mal por Gandalf.  Pepe Théoden sofria também dessa doença, mas a sua possessão tinha contornos diferentes. Ao contrário de seu avô, que assim esteve durante muito tempo, Pepe Théoden ficava possuído apenas por escassos segundos, tempo esse que no entanto era o suficiente para aqui e acolá, o fazer perder a cabeça. O caso de Brunuálven, o Terrível, era semelhante ao de Pepe Théoden, mas numa forma ainda mais grave, pois esses períodos de possessão eram mais frequentes e muito mais intensos. Brunuálven herdara a doença directamente de seu pai. Afinal, era uma doença hereditária.

Fora desses mais ou menos breves momentos em que ficavam possuídos, um e outro eram cavaleiros literalmente inultrapassáveis. Lá do alto do seu "Bernabéu" (um cavalo de pura raça espanhola que parecia ter sido feito à imagem do Rei), Pepe Théoden era imperial na sua função de defesa do Reino. Imperial, sim. Por alguma razão tinha sido aclamado Pepe Théoden III, Senhor de Rohan...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 17:10
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sábado, 30 de Julho de 2016
Gandalf Santos, o Feiticeiro Cinzento...

 

20160729 Fernando Santos.png

 

Os Balrogs eram uma espécie de bestas demoníacas, de línguas pérfidas e ardentes, sempre ávidas de queimar vidas humanas, imolando-as pelo fogo. Para elas, não era importante a justiça ou a verdade. Importante era apenas o prazer que tiravam do espectáculo e do sensacionalismo da imolação em si. Alguns dias antes, houve mesmo um Balrog ainda jovem que tentou a sua sorte com Cristian Ronald Aragorn, mas acabou por ver a sua língua viperina ser arrancada e lançada no fundo de um lago. Os Balrogs adultos eram bem diferentes; esses eram inimigos impiedosos e ainda mais cruéis, virtualmente invencíveis à mão dos homens.

Agora, a Irmandade da Taça via-se obrigada a atravessar as Minas de Mória, território de um primo de Gimli Patrício, o guerreiro-anão-gigante. O povo anão que outrora trabalhara e vivera nessas minas, tinha sido dizimado por um desses Balrogs. Durin, o Senhor de Mória, tinha também ele sucumbido à maldade da besta. E ela lá continuava, a assombrar as Minas, ávida do sangue e da carne dos humanos.

A tarefa parecia impossível. A besta era forte demais para qualquer um dos heróis da Irmandade da Taça, ou até mesmo para todos eles em conjunto.

Para todos? Não, não seria para todos. Gandalf Santos, o Feiticeiro Cinzento (assim conhecido pela falta de cor dos seus feitiços), era o único capaz de fazer frente a um Balrog adulto. E o velho Gandalf Santos não iria deixar os seus créditos por mãos alheias. Quando a besta se regozijava com a perspectiva de mais um banho de sangue, Gandalf Santos interpôs-se entre o Balrog e os seus amigos, na ponte de Khazad-Dûm. Levantou os braços, bramindo o cajado e a espada, e gritou bem alto "You shall not pass !...". A besta demoníaca não conseguia passar, e o Feiticeiro Cinzento continuava a gritar, a plenos pulmões "..and I shall not go. Not before the 11th of July !". Gandalf Santos avisava assim bem alto ao que vinha... para quem o quisesse entender. Mas a verdade é que o Balrog não levou a sério as suas palavras. Ouviu-as, sim, mas apenas para delas poder desdenhar.

Gandalf Santos, o agora Feiticeiro Branco, venceu o Balrog de Morgoth que o tinha menosprezado, e conseguiu algo em que muito poucos algum dia acreditaram - voltar a inundar de luz toda a Terra Média...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 08:36
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Domingo, 24 de Julho de 2016
Frodo Renato Baggins, o Hobbit do Shire...

20160723 Renato Sanches.png

Frodo Renato Baggins era sobrinho de Bilbo Ricard Carvalho Baggins. Eram Hobbits e viviam no Shire.

Bilbo Ricard tinha sido o primeiro a ter a possibilidade de deitar a mão à Taça que a Irmandade perseguia. A oportunidade tinha surgido 12 anos antes, em pleno Shire, e muito embora tenha chegado a ter a mão em cima dela, nem mesmo assim conseguira resgatá-la.

Agora era a vez do seu sobrinho. Parecia ser uma tarefa incomportável para o jovem Frodo, mas o tempo viria a demonstrar que afinal ele estava mais do que preparado para as exigências da missão.

Quanto ao enorme anel de ouro que trazia ao pescoço, era um simples engodo, que servia apenas para desviar a atenção dos seus inimigos para o verdadeiro objectivo da Irmandade - a Taça. Afinal, tratava-se apenas da aliança do seu recente casamento com uma matrona germânica, com a provecta idade de 116 viçosas Primaveras. Uma idade bem mais apropriada ao nosso jovem Frodo, pois apesar de ele jurar ter apenas 18 anos, toda a gente sabia que ele já tinha bem mais de 100...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 22:04
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sábado, 23 de Julho de 2016
Um abraço lusitano desde o Berço da Nação...

20160708 José Mendes.png

 

José João Pimenta Costa Mendes nasceu em Guimarães, a 24 de Abril de 1985. Foi o primeiro ciclista português a participar no Campeonato do Mundo de Ciclismo Universitário (2006), numa altura em que frequentava, no polo de Guimarães, o Curso Superior de Engenharia Electrónica e de Computadores da Universidade do Minho.

Foi Campeão Nacional de Contra-Relógio como júnior e cadete, e Campeão Nacional de estrada como cadete.

Venceu a XVI Volta às Terras de Santa Maria “Troféu Fernando Mendes”. Em 2007, venceu a 15ª Volta a Portugal do Futuro e ficou em 2º lugar no 1º Prémio do Ciclismo do Minho e Alto Douro. A partir de 2008, e já como ciclista profissional, foi 3º classificado no 28º Grande Prémio do Minho, foi 6º no Campeonato Nacional de Élites (2012), e obteve posições consecutivamente muito honrosas nos contra-relógios individuais das várias edições desses Campeonatos (7º em 2008, 3º em 2009, 4º em 2010, 5º em 2012, 3º em 2015 e 2º em 2016).

Em 2015, venceu a 1ª etapa do Giro del Trentino (viria a ser 6º na Geral Individual), foi 5º no Critérium International e 5º na Coppa Bernocchi. Em 2016, foi 6º na Geral Individual do Tour da Noruega e foi Campeão Nacional de Portugal.

Ao longo da sua carreira, José Mendes representou as equipas da União Ciclista de Vila do Conde, do Benfica, da Liberty Seguros, da LA/Antarte/Rota dos Móveis, do CCC/Polsat (Polónia), da LA/Antarte e do NetApp/Endura (Alemanha). Actualmente, José Mendes representa os alemães do Bora-Argon 18.

Já representou a Selecção Nacional, em diversas ocasiões.

Foi seleccionado para participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016).

José Mendes foi Embaixador da Cidade Europeia do Desporto, Guimarães'2013...

 

Fernão Rinada

 

homenagem_jose_mendes_9311_1_690_2000.jpg

(caricatura oferecida ao atleta no Salão Nobre da Câmara Municipal de Guimarães, esta noite)

 



publicado por Miguel Salazar às 23:55
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Sexta-feira, 22 de Julho de 2016
Glórias Desportivas (22) - José Mendes...

 

20160708 José Mendes.jpg

 

José João Pimenta Costa Mendes nasceu em Guimarães, a 24 de Abril de 1985. Foi o primeiro ciclista português a participar no Campeonato do Mundo de Ciclismo Universitário (2006), numa altura em que frequentava, no polo de Guimarães, o Curso Superior de Engenharia Electrónica e de Computadores da Universidade do Minho.

Foi Campeão Nacional de Contra-Relógio como júnior e cadete, e Campeão Nacional de estrada como cadete.

Venceu a XVI Volta às Terras de Santa Maria “Troféu Fernando Mendes”. Em 2007, venceu a 15ª Volta a Portugal do Futuro e ficou em 2º lugar no 1º Prémio do Ciclismo do Minho e Alto Douro. A partir de 2008, e já como ciclista profissional, foi 3º classificado no 28º Grande Prémio do Minho, foi 6º no Campeonato Nacional de Élites (2012), e obteve posições consecutivamente muito honrosas nos contra-relógios individuais das várias edições desses Campeonatos (7º em 2008, 3º em 2009, 4º em 2010, 5º em 2012, 3º em 2015 e 2º em 2016).

Em 2015, venceu a 1ª etapa do Giro del Trentino (viria a ser 6º na Geral Individual), foi 5º no Critérium International e 5º na Coppa Bernocchi. Em 2016, foi 6º na Geral Individual do Tour da Noruega e foi Campeão Nacional de Portugal.

Ao longo da sua carreira, José Mendes representou as equipas da União Ciclista de Vila do Conde, do Benfica, da Liberty Seguros, da LA/Antarte/Rota dos Móveis, do CCC/Polsat(Polónia), da LA/Antarte e do NetApp/Endura (Alemanha). Actualmente, José Mendesrepresenta os alemães do Bora-Argon 18.

Já representou a Selecção Nacional, em diversas ocasiões.

Foi seleccionado para participar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016).

José Mendes foi Embaixador da Cidade Europeia do Desporto, Guimarães'2013...

 

Fernão Rinada

 



publicado por Miguel Salazar às 17:09
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

Quinta-feira, 21 de Julho de 2016
Cristian Ronald Aragorn VII, Rei dos Homens e Senhor de Gondor...

20160720 Cristiano Ronaldo.png

 

Cristian Ronald nasceu no seio de uma família humilde, e nem podia imaginar que nas suas veias corria sangue real. Cresceu e fez-se Homem.

Juntou-se a outros 23 heróis para formar a Irmandade da Taça, e foi ele próprio quem se tornou no Senhor das Taças. Logrou convencer os espíritos dos Homens da Montanha, a lutar a seu lado, contra as hordas Morgul. Mais tarde, já como Rei dos Homens e Senhor de Gondor, Cristian Ronald Aragorn VII quase conseguia arrebatar a taça, do Monte da Condenação, não fosse o ataque ignóbil de uma criatura nojenta e asquerosa ("créature dégueulasse") - um Uruk-hai chamado Payet. Atacou-o de forma cobarde, desferindo-lhe um golpe traiçoeiro que o impediu de cumprir o seu destino. Foi nessa altura que uma pequena borboleta pousou junto à sua sobrancelha. Era o espírito do Rei Eusébio que tinha voltado para lhe lembrar que incapacitar fisicamente um verdadeiro Rei, não era o mesmo que o vencer. Cristian Ronald Aragorn VII, filho de Arathorn, levantou-se e conseguiu aquilo que todos supunham ser impossível - transformar um imperturbável pinheiro num temível Ent. Assim, efemeramente transfigurado pela acção do Rei dos Homens, Treebeard Ehder irrompeu pelas entranhas do Monte da Condenação e... simplesmente arrebatou a Taça que todos queriam, assim, como quem fizesse coisas daquelas todos os dias...

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 00:22
"link" do artigo | o seu comentário | favorito


procurar cartoons
procurar por nome/palavra
 
desenhos mais recentes

Esse Mito Urbano chamado ...

Esse Mito Urbano chamado ...

As 4 Cartilhas do Vitória...

Do Dicionário da Língua P...

192 Vitórias de todo o Mu...

a Sétima Cruzada da Era M...

O rapaz do Bar...

Bongani Zungu...

Em busca da segunda chave...

A primeira das duas chave...

arquivo de desenhos
tudo sobre
tudo sobre
para explorar o blogue
acerca de nós
visitas nas últimas 24h

visitas acumuladas

páginas visualizadas