Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010
o Justiceiro...

O jogo de Alvalade até nem começou nada bem.

O Sporting entrou a dominar a partida, com algumas ocasiões de golo falhadas, é certo, mas que ao contrário do que os jornaleiros do regime tanto alardearam, eram mais consequência das grandes intervenções de Nilson, do que propriamente do demérito dos jogadores leoninos.

E Nilson, ao invés do que esses jornaleiros parecem pensar (se é que pensam de todo), não é um poste nem uma trave, mas sim um jogador como qualquer outro dos restantes dez que compõem a nossa equipa.

E a incapacidade do Sporting em conseguir materializar o seu ascendente era tanta, que o árbitro assistente, desesperado, se viu obrigado a branquear um claríssimo fora-de-jogo, de forma a permitir a prossecução de uma jogada perigosa que haveria de culminar com o golo leonino.

Nelson Moniz, ao sacrificar-se por um bem maior (o do Sporting) deverá ter imaginado que estaria a fazer jus ao seu apelido, tornando-se num mártir como aconteceu há muitos séculos atrás com Martim Moniz (mas este numa atitude bem mais honrada).

E como se isso não bastasse, esse mesmo senhor que não conseguiu ver a mais do que evidente posição irregular do jogador sportinguista, e tão pouco o abalroamento de Evaldo a Nilson (que acabou com o guarda-redes vitoriano no fundo da baliza), já foi capaz de ver aquilo que não aconteceu, que foi considerar como golo uma bola que jamais ultrapassou a linha de baliza.

E isto é que é verdadeiramente espantoso.

É admissível, embora não seja desejável, que alguém não valide um golo numa jogada em que a bola entra na baliza, porque simplesmente poderá não o ter visto.

Ou seja, aconteceu, mas por algum motivo (seja por distracção ou por “distracção”) o árbitro assistente não o terá visto.

Outra coisa, igualmente indesejável, mas TOTALMENTE inadmissível, é que alguém afirme ter visto algo que nunca chegou a acontecer.

Ver a bola dentro da baliza, quando ela nunca lá esteve, não é uma perda fugaz de visão, mas antes uma alucinação.

E quem tem alucinações não deve arbitrar jogos de futebol.

Mas enfim, uma vez mais um dos estarolas era empurrado para a vitória.

Depois veio a segunda parte, onde o Vitória foi tomando conta do jogo, gradualmente.

A expulsão (incontestável) de Maniche não foi a causa da desgraça leonina, foi apenas uma razões que esteve na base do colapso de uma equipa que, à imagem do Vitória do final da época passada, embora por motivos diferentes, já se encontra órfã de uma liderança técnica capaz e competente.

O boné daquele a quem os sportinguistas pomposamente chamam “treinador”, já está tão enterrado nas suas orelhas, que o homem anda completamente perdido sem fazer a mais pálida ideia do que há-de fazer.

A sua saída de Alvalade está agora iminente e quando tal acontecer, cá estarei eu para rejubilar com a justiça que entretanto já muito vai tardando…

A estocada final foi dada com as substituições de Manuel Machado.

A entrada de João Alves e principalmente o regresso triunfal de Targino, proporcionaram aquilo que faltava para se consumar a reviravolta do jogo, e para repor, finalmente, a justiça no resultado.

Tiago Targino foi o nosso Justiceiro…

 

José Rialto

 

(cartoon publicado no Depois Falamos)




publicado por Miguel Salazar às 20:30
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

6 comentários:
De Vanquisher a 11 de Novembro de 2010 às 21:16
Fabuloso uma vez mais. Cada pormenor torna o boneco delicioso.
Os meus parabéns pelo trabalho e obrigado por o partilhares connosco.

Abraço Vitoriano


De Miguel Salazar a 11 de Novembro de 2010 às 21:31
O gosto tem sido meu, Vanquisher, por ter com quem os partilhar.
Obrigado...


De Vanquisher a 11 de Novembro de 2010 às 21:21
Faltou apenas dizer que o escrito acompanha, como sempre, a qualidade do boneco.

Gostava de sublinhar este excerto:

"Ver a bola dentro da baliza, quando ela nunca lá esteve, não é uma perda fugaz de visão, mas antes uma alucinação."


De José Rialto a 11 de Novembro de 2010 às 21:38
Muito obrigado, vanquisher.
A verdade é que a inspiração flui muito mais facilmente com momentos épicos como este que todos vimos em Alvalade.
Foi uma reviravolta fantástica, não foi?...


De anónimo a 11 de Novembro de 2010 às 22:08
A caricatura está excelente, mas os pormenores, mais uma vez, são o sumo do cartoon.

É excelente o pormenor do treinador do sporting às apalpadelas sem saber o que fazer


De Miguel Salazar a 11 de Novembro de 2010 às 22:12
O síndrome do boné persegue-o, meu caro.
É assim uma coisa do destino...


Comentar artigo

procurar cartoons
procurar por nome/palavra
 
desenhos mais recentes

Esse Mito Urbano chamado ...

Esse Mito Urbano chamado ...

As 4 Cartilhas do Vitória...

Do Dicionário da Língua P...

192 Vitórias de todo o Mu...

a Sétima Cruzada da Era M...

O rapaz do Bar...

Bongani Zungu...

Em busca da segunda chave...

A primeira das duas chave...

arquivo de desenhos
tudo sobre
tudo sobre
para explorar o blogue
acerca de nós
visitas nas últimas 24h

visitas acumuladas

páginas visualizadas