Quinta-feira, 21 de Novembro de 2013
Cristiano Ronaldo, o FLASH lusitano…

Flash é um Super-Herói da DC Comics, criado por Gardner Fox e desenhado por Harry Lampert, e que surgiu pela primeira vez no ano de 1940.

Jay Garrick era a sua identidade secreta, a identidade do Flash dos anos 40.

Depois, em 1956, surgiu outro Flash Barry Allen –, o Flash dos anos 50.

Com Barry, tudo aconteceu quando trabalhava na polícia científica de Central City, e foi vítima de um acidente em que ficou exposto à acção conjunta de uma série de produtos químicos e de um relâmpago que atingiu o seu laboratório. A partir desse momento, Barry passou a ter a capacidade de se deslocar a altíssimas velocidades. Quando se apercebeu do potencial da sua transformação, Barry resolveu tornar-se num Super-Herói e assumir o nome de “Flash”, inspirado no seu antecessor dos anos 40.

A história de Cristiano Ronaldo é em tudo semelhante à de Barry Allen

Na sua juventude, Ronaldo pertenceu à Green Lantern Corps lusitana (ver aqui o que era esta Força), com base em Oa (Oficina de alvalade). Depois de concluída a recruta, foi colocado no sector "Red Devil" de Manchester. Em 2009 abandonou a Tropa dos Lanternas Verdes e mudou-se para Madrid. Em Outubro de 2013, estava o madeirense a trabalhar no seu clube da capital espanhola, quando subitamente foi vítima do veneno instilado por um imbecil chamado Joseph Blatter. O ódio deste indivíduo por Cristiano era já antigo, mas a ideia luminosa e peregrina de o revelar ao Mundo nas vésperas da escolha do Bola de Ouro de 2013, é que já era bem mais recente e acima de tudo surpreendente. A transformação de Ronaldo não resultou propriamente da exposição a produtos químicos e a um relâmpago, mas sim a um poderosíssimo veneno e a uma ideia absolutamente luminosa.

E se a diferença já não era muita, então o resultado, esse era exactamente o mesmo.

Os super-poderes de Cristiano Ronaldo aumentaram exponencialmente e o madeirense passou então a conseguir atingir a velocidade da luz, sendo mais rápido que o mais rápido de todos os seus adversários, a conseguir atravessar obstáculos sólidos, fossem eles barreiras maciças ou marcações implacáveis, a conseguir criar ventos fortes e até tempestades, como aquela que varreu os suecos em sua própria casa, a conseguir atravessar um oceano inteiro levando todo um país às suas costas, e a conseguir atingir dimensões nunca antes alcançadas por notáveis protagonistas como Figo, Eusébio, Pauleta ou até mesmo Messi

Provavelmente, Ronaldo conseguiria tudo isto mesmo sem a ajuda daquele imbecil, mas não há nada como se ter um incentivo extra.

E pronto, é esta a história do mais recente Super-Herói plagiado pelo Miguel Salazar e por mim próprio.

A história de Cristiano Ronaldo, o FLASH lusitano...

 

José Rialto

 

FONTE DE PESQUISA:

Flash (comics), from Wikipedia


(para ver Super-Heróis e Super-Vilões, lusitanos, luso-brasileiros e estrangeiros, carregar aqui)



publicado por Miguel Salazar às 23:53
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

2 comentários:
De anónimo a 22 de Novembro de 2013 às 13:31
e uma história tão bem contada quanto imaginada


De Miguel Salazar a 22 de Novembro de 2013 às 18:53
Muito obrigado... :-)


Comentar artigo

procurar cartoons
procurar por nome/palavra
 
desenhos mais recentes

a Sétima Cruzada da Era M...

O rapaz do Bar...

Bongani Zungu...

Em busca da segunda chave...

A primeira das duas chave...

8º aniversário do “ÁLB’oo...

O homem-forte, o menino b...

Dragão d'Ouro...

Janeiro, o mês do nosso m...

O "déjà vu" de Jorge Simã...

arquivo de desenhos
tudo sobre
tudo sobre
para explorar o blogue
acerca de nós
visitas nas últimas 24h

visitas acumuladas

páginas visualizadas