Quarta-feira, 30 de Abril de 2014
O trava-línguas dos Vareiros...

 

Os Conquistadores chegaram às portas de Ovar, à hora prevista, sem artimanhas nem surpresas. Talvez por isso não tenham conseguido tomar a cidade logo ao primeiro assalto. Contra todas as expectativas, os vareiros tinham travado a primeira investida dos homens do Castelão.

Dom Fernando teve quase 24 horas para reavaliar a situação. Estudou cuidadosamente os obstáculos que tinha pela frente, e principalmente o adversário que os defendia. Algo tinha falhado, mas o Castelão não era homem para repetir erros do passado. Redefiniu a sua estratégia, e com isso acabou por surpreender os vareiros que não contavam que os Conquistadores pudessem tomar a cidade daquela maneira. É que assim, de salto à vara, não havia ria de Aveiro, ponte levadiça ou paliçada que lhes pudesse valer. Dom João, o Balseiro, tinha entrado a voar pela cidade, à frente dos Conquistadores que a tomaram num ápice, mesmo antes que alguém pudesse fazer o que quer que fosse. Ao fim daquele dia de Domingo, Ovar era uma cidade rendida aos pés de Dom Fernando, o Castelão de Guimarães.

Desde essa altura, aos vareiros, quase se lhes dá um nó de cada vez que repetem este trava-línguas...

 

“Nós os vareiros de Ovar ficamos varados quando vimos Ovar

ser tomada de assalto por Conquistadores assaltantes

que nos assaltaram saltando à vara”

 

José Rialto



publicado por Miguel Salazar às 20:56
"link" do artigo | o seu comentário | favorito

procurar cartoons
procurar por nome/palavra
 
desenhos mais recentes

a Sétima Cruzada da Era M...

O rapaz do Bar...

Bongani Zungu...

Em busca da segunda chave...

A primeira das duas chave...

8º aniversário do “ÁLB’oo...

O homem-forte, o menino b...

Dragão d'Ouro...

Janeiro, o mês do nosso m...

O "déjà vu" de Jorge Simã...

arquivo de desenhos
tudo sobre
tudo sobre
para explorar o blogue
acerca de nós
visitas nas últimas 24h

visitas acumuladas

páginas visualizadas